5 min de leitura

Dicas de alfabetização e letramento nas séries iniciais

Dicas de alfabetização e letramento nas séries iniciais

A alfabetização e letramento nas séries iniciais, mais especificamente do 1º ao 3º ano, são processos de aprendizagem inicial da língua escrita para crianças entre 6 e 8 anos.

Muitas pessoas não sabem diferenciar o conceito desses termos. Acreditam se tratarem da mesma coisa. Porém, isso não é verdade.

Para facilitar o entendimento, podemos comparar a alfabetização à aquisição de uma tecnologia, em que as crianças aprendem a transformar os sons da fala (fonemas) em letras (grafemas).

Já o letramento é capacitar o aluno para que utilize essa tecnologia, a alfabetização, em sua realidade. Seja produzindo, lendo ou compreendendo textos. Afinal, não basta saber decodificar sons em letras. Para além disso, a língua escrita tem a função de inserir a criança social e culturalmente.

Portanto, para cada processo é preciso que haja respeito as suas especificidades, fazendo uso de diferentes meios linguísticos e cognitivos. Porém, a alfabetização e o letramento devem andar em paralelo. Ou seja, toda criança deve ser alfabetizada ao mesmo tempo em que é letrada.

O professor, ator essencial no processo de ensino e aprendizagem, precisa entender como a criança constrói o seu conhecimento. Para ser eficaz em sua prática pedagógica, é importante que tenha domínio de fundamentos psicológicos, fonológicos (representação dos sons em letras), linguísticos e sociolinguísticos (as diferentes formas de falar dentro da sociedade).

Da mesma forma que é desafiante para o professor, alfabetizar e letrar, para os alunos há, também, uma série de dificuldades. Aprender um sistema de representação dos sons da fala em grafia, é complexo e abstrato. A criança precisa fazer essa descoberta aos poucos, por meio de orientação, provocações e uma boa dose de paciência.

Com esse texto, trazemos dicas de como alfabetizar e letrar nas séries iniciais, mais especificamente, do 1º ao 3º ano. Mas, antes de mais nada, você precisa saber que não existe um método pronto para esse processo. É necessário que o professor tenha, como base, a fundamentação teórica e a aplique, adaptando o ensino conforme as demandas de aprendizado de seus alunos.

Dicas de alfabetização e letramento nas séries iniciais (1º ao 3º ano)

Por meio de suas vivências, as crianças aprendem a língua escrita antes mesmo de irem para a escola. Seja visualizando placas nas estradas, vendo seus pais escreverem recados ou através dos cartazes pendurados no supermercado. 

Porém, é na escola, mediante conhecimentos sistematizados, que são alfabetizadas e letradas. 

O processo de alfabetização e letramento se dá por ciclos que, geralmente, perduram até o final do Ensino Fundamental. Conforme divisão abaixo:

  • Introdução: do Maternal até o Infantil II;
  • Básico: 1º ao 3º ano do Ensino Fundamental;
  • Consolidação: 4º e 5º ano do Ensino Fundamental;
  • Ampliação: 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental.

 

Vale destacar que esses ciclos podem não se aplicar para alguns alunos. Cada criança tem seu ritmo e ele precisa ser respeitado para que o aprendizado aconteça.

Outros pontos a serem levados em consideração no planejamento das aulas, são os três tipos de desenvolvimento que ocorrem junto ao processo de alfabetização e letramento. São eles: consciência fonológica, desenvolvimento psicogenético e conhecimento das letras.

Conforme a imagem abaixo, o primeiro estágio de desenvolvimento psicogenético é o icônico. Nele, a criança, na tentativa de escrever, esboça traços abstratos. À medida que seu desenvolvimento acontece, o estágio de sua escrita avança.

Fonte: Nova Escola

 

A seguir, falamos de forma breve, como se dá a alfabetização e o letramento do 1º ao 3º ano. Elencamos, também, boas práticas para que esses processos ocorram da melhor maneira possível.

1º e 2º ano

Quando as crianças iniciam no Ensino Fundamental, o professor precisa avaliar o que aprenderam na Educação Infantil para, a partir daí, montar sua estratégia de trabalho.

O esperado é que, ao entrarem no 1º ano, estejam no estágio silábico com valor sonoro. E, no final dos dois primeiros anos das séries iniciais, sejam todos alfabéticos, ou seja, tenham dominado o sistema de escrita.

Ao concluírem o 2º ano, conseguirão, em sua maioria, ler e escrever textos de estrutura simples e pequenos.

Para facilitar o processo de aprendizado nessa fase, confira as dicas a seguir.

Concretize o som das palavras

No início do 1º ano, ainda é comum que as crianças escrevam letras na tentativa de reproduzir sílabas.

Uma maneira de resolver essa dificuldade é com representação numérica. Ensine os alunos a contarem, nos dedos, o número de sílabas da palavra. Assim, quando forem escrevê-las, repetirão a contagem, o que ajuda na concretização do som das palavras. 

Leia as frases, fazendo pausas a cada palavra

Outra dificuldade comum é na composição das frases. Quando falamos, não utilizamos espaço entre as palavras. Porém, na escrita, elas precisam de espaçamento para serem compreendidas.

O trabalho do professor, aqui, é separar aquilo que não separamos na hora de verbalizar as frases. Para isso, leia a sentença, apontando para cada palavra no quadro ou livro. Assim, o aluno conseguirá visualizar com facilidade os espaços.

Você pode, também, pedir para que escrevam cada palavra em um quadrado, facilitando a composição das frases.

Ensine através de metáforas

Na hora de separar as sílabas de uma palavra como, estrela, a maioria das crianças tem dificuldade, nesse caso, com o “tre”, por possuir mais de duas letras em sua composição.

Para isso, utilize metáforas, chamando o “r”, por exemplo, de intruso ou ajudante. Diga que trata-se de um som que se intrometeu na sílaba. Desta forma, a explicação se torna lúdica e facilita o aprendizado.

Utilize o texto como ponto de partida para todas as atividades

Para que adquiram consciência fonológica e conhecimento aprofundado das letras, todas as atividades devem se basear em textos.

No 1º ano, as crianças, ainda que verbalmente, começam a criar histórias. Com base nessa atividade, você pode pedir que escrevam uma frase daquilo que mais marcou para eles na narrativa.

Já no 2º ano, os alunos conseguem compor um texto maior, que vai além das frases. Nesse caso, peça que criem e escrevam uma pequena história.

3º ano

Durante os dois primeiros anos do Ensino Fundamental, é comum haver a percepção de pausas no aprendizado. O salto maior acontece no 3º ano, pois é quando a criança consolida a utilização do sistema de escrita e as normas básicas de ortografia.

É, nesse momento, que o aluno passa da leitura e escrita de palavras para a elaboração de textos que contenham introdução, desenvolvimento, conclusão e o uso, relativamente correto, da ortografia.

Aqui, a criança começa a distinguir, em um nível ainda básico, os diferentes tipos de produções textuais.

Incentive a leitura

Os alunos devem memorizar a grafia das palavras, portanto, precisam praticar a leitura. Quanto mais lerem, mais desenvolverão sua capacidade de escrita.

Faça diferentes atividades, sempre tomando os textos como base

Proponha o máximo de atividades que puder envolvendo textos. Leia-os em conjunto com a turma, discuta sobre o tema lido, peça que indiquem, por exemplo, tempo, ação e lugar relacionados à produção textual em questão.

Faça, também, atividades de produção e revisão de diferentes tipos de textos para que, ao final, consigam diferenciar cada um deles.

********

E então? Animado para colocar essas dicas de alfabetização e letramento nas séries iniciais em prática? Ou já costuma trabalhar com algumas dessas práticas? Conta para nós a sua experiência, será um prazer ouvi-lo!

Se gostou desse conteúdo, assine a nossa newsletter e fique por dentro de outros textos como este!

 

    Quer ficar por dentro das novidades?

    Assine a nossa newsletter e receba conteúdos incríveis toda semana!


    Portabilis Tecnologia

    A startup de tecnologia que ajuda os governos municipais a superarem a falta de informação através de soluções inteligentes, para aumentar o impacto das políticas públicas de educação e assistência social, focando em transformações sociais e a garantia do acesso de todos os brasileiros aos seus direitos.