5 min de leitura

Os benefícios da meditação na escola

Certamente, você já ouviu falar dessa prática milenar e os benefícios que ela traz para a mente e o corpo. E você sabia que, pouco a pouco, a meditação na escola está ganhando espaço em todo o Brasil? 

Com exercícios de respiração, atenção plena e relaxamento, minutos antes de começar a aula ou uma reunião pedagógica, a relação aluno-professor e, de forma geral, o ambiente de ensino se tornam muito mais agradável.

Respeito, empatia e foco são desenvolvidos em 20 dias a 2 meses de prática de meditação. Há o desenvolvimento da criança e, também, dos professores, de forma integral. O que proporciona aprendizados para a vida.

Os benefícios da meditação na escola foram comprovados através de pesquisas. Em 2012, um estudo realizado em Oakland, Califórnia, comparou alunos que praticavam meditação com os que não praticavam. Foram cerca de 800 alunos e 50 professores analisados. O resultado mostrou que houve melhora expressiva naqueles que meditavam, com aumento do foco, controle emocional, compaixão e participação nas aulas.

No Reino Unido, testes foram feitos em escolas modelo. Nestas instituições, a meditação melhorou o desempenho dos alunos, a inteligência socioemocional e a resiliência. Devido ao resultado, a experiência foi replicada para toda a rede escolar do País. Na Inglaterra, EUA e França, a meditação nas escolas já é uma prática difundida.

Os benefícios do mindfulness também são comprovados pela ciência. Conforme o professor do departamento de neurologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Ricardo Monezi, a meditação sincroniza as ondas cerebrais e regula os hormônios responsáveis pelo estresse, como o cortisol e a adrenalina. O resultado é a potencialização de capacidades, como a atenção e a criatividade.

Seguindo a tendência de países referências no assunto, no Brasil, várias escolas têm inserido a meditação na rotina de seus alunos e professores. Essas instituições já conseguem colher bons frutos da prática. 

Veja, abaixo, com maiores detalhes, alguns desses benefícios.

Melhora a atenção

Ao meditar, você precisa focar no que está fazendo no momento. Você deve, por exemplo, prestar atenção apenas na respiração e não deixar que as inquietações dominem seus pensamentos.

Esse exercício, praticado constantemente, faz com que seja desenvolvida a habilidade de manter a atenção por um longo tempo. O que ajuda os alunos a se concentrarem mais nas aulas, atividades e provas.

Desenvolve a memória

Estudos recentes têm mostrado que a meditação desenvolve a neuroplasticidade. Ou seja, os neurônios criam, com maior frequência, novas conexões. O resultado é o aumento da capacidade de memória e, em consequência, um maior aprendizado.

Ajuda a lidar com as emoções

Alguns alunos brigam com colegas e professores no impulso de suas emoções. Utilizam palavras rudes e, muitas vezes, partem para a agressão física.

Se conseguissem parar por um instante, respirar e pensar nas consequências de suas ações, conseguiriam lidar melhor com suas emoções e deixariam de agir movidos pela fúria.

A prática de mindfulness contribui, inclusive, com a redução de casos de indisciplina. Pois, o aluno consegue manter um maior equilíbrio emocional.

Reduz o estresse

Só quem teve a experiência de meditar sabe que, ao finalizar a prática, você se sente relaxado e todo o estresse vai embora naquele momento.

É claro que, para se tornar calmo e não se incomodar facilmente, é preciso manter uma rotina de meditação. Como falado antes, os resultados só aparecem depois de 20 dias a 2 meses de prática.

Desenvolve a empatia

Existem diferentes abordagens de meditação. Algumas trabalham para desenvolver a atenção, outras o cognitivo e, ainda, existem aquelas que têm o objetivo de ampliar as capacidades afetivas.

Para melhorar suas relações, tanto na escola, quanto fora dela, os alunos precisam ser empáticos. Para que consigam se comunicar de forma não violenta e manter um convívio afetuoso com todos, é importante que se coloquem no lugar das outras pessoas.

A meditação, que trabalha a abordagem afetiva, faz com que o praticante se familiarize com seus sentimentos. Criando consciência de seu mundo e percebendo que todos, assim como ele, têm seus medos e aflições. O que gera a necessidade de compreender e colaborar com os demais colegas e professores.

Estimula a autoconfiança

Em práticas que propõem, por exemplo, exercícios de bondade a si mesmo, é proposto que o praticante repita palavras positivas para si. O que reforça sentimentos como, a autoconfiança.

Muitas crianças e adolescentes que sofrem bullying, por exemplo, para que não se sintam diminuídas, podem ser beneficiadas com a meditação. O que, é claro, não isenta a escola de tomar as medidas cabíveis para esses casos.

Cria um ambiente agradável de estar

Quando o equilíbrio emocional e a empatia são desenvolvidos, assim como outras capacidades, todos se beneficiam com um ambiente agradável. Em consequência, os alunos se tornam mais receptivos para aprender.

Como colocar a meditação na escola em prática?

Não é todo mundo que possui conhecimento de meditação para repassar aos alunos, não é verdade? O ideal seria ter a ajuda de um profissional de mindfulness. Mas sabemos que, dificilmente, haverá recurso para esse tipo contratação.

Aplicar a atividade é simples, mas é preciso, pelo menos, algumas noções básicas. A ONG Mente Viva tem uma série de conteúdos gratuitos e autoexplicativos sobre meditação nas escolas que pode lhe ajudar a colocar o projeto em prática.

Mas antes de propor a atividade aos alunos, os professores precisam dar o exemplo. Ao praticar meditação, os educadores notarão maior produtividade e equilíbrio emocional para lidar com as dificuldades de sua profissão. Serão, ainda, mais atenciosos e empáticos com seus alunos.

Para evitar mal entendido, é importante, também, explicar aos pais como funciona a meditação e os seus benefícios. Esclarecendo que, ao contrário do que muitos acreditam, não se trata de uma prática religiosa.

Ao aplicar a meditação com as crianças e os adolescentes, planeje algo simples, breve e lúdico. Deve durar, no máximo, 10 minutos. Todos devem se sentar em um local confortável e com a coluna ereta. Em seguida, deve haver uma orientação para que sintam sua respiração, prestem atenção nos sons que vêm da rua, dentre outros exercícios.

O ideal é que a prática aconteça logo no início da aula. Assim, os alunos ficarão mais abertos, durante todo o dia, para realizarem suas atividades e aprenderem mais.

É importante entender que a meditação na escola não deve ser a solução para todos os problemas. A prática de mindfulness não exime os professores e gestores educacionais de repensarem suas aulas e os currículos, para que se aproximem, cada vez mais, da realidade dos alunos.

 

********

E então? Conseguiu entender os benefícios da meditação na escola? Acha que é possível botá-la em prática? Caso já utilize esse recurso, quais as vantagens que consegue enxergar no dia a dia? Conta para nós a sua experiência, será um prazer ouvi-lo!

Se gostou desse conteúdo, assine a nossa newsletter e fique por dentro de outros textos como este!

    Quer ficar por dentro das novidades?

    Assine a nossa newsletter e receba conteúdos incríveis toda semana!


    Portabilis Tecnologia

    A startup de tecnologia que ajuda os governos municipais a superarem a falta de informação através de soluções inteligentes, para aumentar o impacto das políticas públicas de educação e assistência social, focando em transformações sociais e a garantia do acesso de todos os brasileiros aos seus direitos.