5 min de leitura

Reduzir custos na educação: 4 dicas usando tecnologia

A educação básica há tempos sofre com recursos escassos e com a falta de investimentos. A solução para esse problema recorrente pode demorar a chegar, e reduzir custos se mostra a opção com resultados mais rápidos para o alívio das contas da educação no país.

A lista das necessidades de melhoria que dependem de investimento é grande. Falta valorização dos professores e cursos profissionalizantes, a infraestrutura em muitas escolas é precária e o repasse da verba por aluno na maioria das vezes é baixo, o que torna muito mais difícil reduzir custos na educação.

Ficaríamos horas discorrendo sobre o assunto, mas o objetivo é focarmos nas possíveis soluções e não nos problemas, não é mesmo?

Enquanto os debates sobre a ampliação e a permanência do Fundeb não chegam a um denominador comum, precisamos ganhar tempo e pensar em melhorias para a gestão dos recursos educacionais, em como fazer mais com menos.

As dicas que traremos aqui tratam-se não apenas de redução nos custos, mas também tornarão sua escola ainda mais sustentável, diminuindo os gastos com papel, tinta e manutenção de impressoras. Além, é claro, da economia de tempo e agilidade nos processos.

Quer conhecer quatro maneiras de reduzir custos utilizando tecnologia? Vamos lá!

1- Desburocratize processos com software livre para reduzir custos

Segundo pesquisa, o professor brasileiro gasta em média 34% do tempo das aulas com burocracia. Imagine conseguir economizar esse tempo e aplicá-lo para a preparação de aulas mais atrativas?

Com o uso de sistemas de informação é possível automatizar processos e livrar-se dos papéis. Lançamento das notas e frequências, criação do plano de ensino e das aulas, tudo isso pode ser registrado em um software. Além da automatização, você terá em mãos informações mais precisas para a tomada de decisão.

Um software livre lhe dará liberdade, pois o município não ficará aprisionado a pagamentos de licenças ao proprietário do sistema. Você poderá contratar um prestador de serviço para dar suporte na sua implantação e uso, mas poderá trocar esse prestador a qualquer momento, sem deixar de usar o software.

Além disso, esse tipo de sistema lhe dará maior autonomia para adaptá-lo à realidade da administração pública, pois o código fonte é aberto e pode ser modificado quando necessitar de ajustes no software. Bacana a flexibilidade, não é mesmo?

O sistema de gestão escolar i-Educar é um bom exemplo de software livre para utilizar em sua rede de ensino. Ele está disponível no Portal do Software Público Brasileiro, que é mantido pelo governo federal e conta com a colaboração de pessoas e empresas para desenvolvê-lo. A Portabilis é colaboradora ativa e mantenedora oficial dessa solução no portal.

Os ganhos do uso do i-Educar podem refletir tanto na redução de custos quanto colaborando para o aumento do desenvolvimento da educação e da aprendizagem dos alunos.

Exemplos como, a economia de R$ 2,4 milhões pela prefeitura de Monte Alegre (RN) e o alcance de 8,5 na nota do Ideb em Coruripe (AL) são alguns dentre inúmeros casos que comprovam que um bom sistema de informação apoia a gestão e transforma a educação dos municípios.

2- Agilize o registro das avaliações e frequências

Com o diário on-line, o uso do diário de papel não será mais necessário. Além de reduzir o consumo de papel e caneta, trará maior agilidade e segurança no lançamento das avaliações e frequências pelos professores.

O registro do plano de ensino, plano de aulas e conteúdos também pode ser feito na ferramenta. Compatível com tablets, smartphones ou notebooks, é possível utilizá-lo dentro ou fora da sala de aula.

Sabendo das dificuldades que as escolas enfrentam com infraestrutura, a Portabilis lançou um aplicativo móvel para que o professor consiga lançar as frequências, mesmo sem conexão de internet. O app pode ser usado tanto em smartphones quanto em tablets, e ajudará a executar as ações com maior agilidade e de qualquer lugar.

Com esses recursos, é possível diminuir o gasto com material de consumo e reduzir custos na educação, além de proporcionar maior tempo livre para que os professores preparem as aulas, e foquem no aumento da aprendizagem dos alunos.

Ficou interessado(a) na solução? Confira mais detalhes neste link.

3- Aplique as provas totalmente on-line

Seguindo a tendência de diminuir o consumo de papel, o QEdu desenvolveu uma ferramenta que torna as avaliações mais rápidas e descomplicadas.

As avaliações, pelo método tradicional, custam caro e possuem alta complexidade de aplicação e análise dos seus resultados, o que dificulta a ação de reduzir custos na educação. Pensando
nisso é que a plataforma de provas on-line foi criada.

Além da economia dos recursos, é possível o acompanhamento do desempenho dos estudantes para diagnosticar e atuar nos pontos críticos do aprendizado.

Imagine os secretários de escola digitando cada nota, e depois terem que gerar análises a partir dessas informações? Não estamos falando só da economia do papel, mas também de tempo e dinheiro.

4- Tome decisões através da análise dos dados

O exemplo da economia de R$ 2,4 milhões gerada pela prefeitura de Monte Alegre (RN) deixa claro a importância da análise dos dados para reduzir os custos na educação.

O secretário Alexandre Soares, através do projeto “Raio X da Educação”, utilizou os relatórios emitidos pelo i-Educar e conseguiu analisar a lotação dos servidores da secretaria de educação.

Através dessas análises, identificou grandes distorções. Algumas escolas, por exemplo, continham uma média de 50 alunos por professor enquanto que em outras possuíam apenas três alunos por docente.

Outra validação que fez foi a verificação da quantidade de turmas existentes no município. Com isso, pôde constatar quantas horas/aula eram necessárias para o quadro de pessoal suprir a demanda de alunos do município.

Em resumo, o secretário avaliou se o professor poderia dar mais aulas numa escola ou se havia a necessidade de realocação para outra instituição.

“Os números comprovam o resultado das ações baseadas em dados. A secretaria obteve uma taxa de aproveitamento do quadro pessoal de 95% e uma economia de 22% na folha de pagamento”, segundo o Secretário.

Perceba que a tecnologia não deve ser utilizada apenas para informatizar os dados. Casos como esse de Monte Alegre (RN), nos comprovam que é possível reduzir custos, e a gestão eficiente aliada ao aumento da produtividade dos professores podem ressignificar os recursos e disponibilizá-los para que a secretaria de educação os aproveite melhor, aliviando as tensões e os desafios da gestão escolar nesses tempos de crise. Além, é claro, de trazer maior tempo livre para melhorar a aprendizagem dos alunos.

 

E aí? Você já aplica alguma dessas ações na sua secretaria? Acha que é possível reduzir ainda mais os custos na educação? Conta para nós a sua experiência, será um prazer ouvi-lo!

Se gostou desse conteúdo, assine a nossa newsletter e fique por dentro de outros textos como este!

    Quer ficar por dentro das novidades?

    Assine a nossa newsletter e receba conteúdos incríveis toda semana!


    Portabilis Tecnologia

    A startup de tecnologia que ajuda os governos municipais a superarem a falta de informação através de soluções inteligentes, para aumentar o impacto das políticas públicas de educação e assistência social, focando em transformações sociais e a garantia do acesso de todos os brasileiros aos seus direitos.