3 min de leitura

Entenda a diferença entre serviço social, assistência social, assistente social e assistencialismo

Certamente você já ouviu alguém falar que faz curso de Assistência Social ou de Assistente Social. A confusão é tão comum que, inclusive, alguns estudantes e profissionais da área utilizam esses termos de forma equivocada. Por isso, decidimos escrever esse texto, para que todos entendam a diferença entre serviço social, assistência social, assistente social e assistencialismo.

Pelo fato de terem grafias parecidas, essas palavras são trocadas em matérias de revistas, jornais, no meio acadêmico, nos equipamentos públicos e, até, em conversas de bar. Ao se deparar com esse tipo de confusão, boa parte dos profissionais da Assistência Social se indigna. Afinal, serviço social, assistência social, assistente social e assistencialismo são termos totalmente diferentes. Mas, ao mesmo tempo, se complementam.

Para esclarecermos, de uma vez por todas, esses equívocos, continue com a gente.

Diferença entre serviço social, assistência social, assistente social e assistencialismo

Se fosse para resumir a diferença entre serviço social, assistência social, assistente social e assistencialismo em uma frase, poderíamos afirmar o seguinte:

“O assistente social faz um curso superior de Serviço Social para, normalmente, atuar na política de Assistência Social e não deveria, no exercício de sua profissão, praticar assistencialismo.”

Bom, com a definição acima, você consegue ter uma noção do que é cada termo, não é mesmo? Porém, para que você adquira um conhecimento aprofundado sobre o que é serviço social, assistência social, assistente social e assistencialismo trazemos o conceito de cada palavra dessas em detalhes abaixo.

Serviço social

Para se tornar um/uma assistente social, é preciso fazer uma graduação de Serviço Social. É dessa forma, também, que a profissão de nível superior é denominada.

É importante lembrar que é obrigatório, para o exercício da profissão de assistente social, o registro no CRESS (Conselho Regional de Serviço Social) após a conclusão do curso de Serviço Social.

Assistência social

A Assistência Social é uma política pública, assim como a Saúde e a Educação. Trata-se de um dever do Estado e um direito de todo o cidadão que dela precisar.  

Está prevista na Constituição Federal de 1988 e é regulamentada pela LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social). É uma das áreas em que os/as assistentes sociais podem atuar.

Vale destacar que, antes da existência dessa política, as ações tinham um caráter de benevolência e caridade, ou seja, eram meros assistencialismos. Além disso, eram fragmentadas e desordenadas.

Hoje, a Assistência Social, como política pública, possui natureza preventiva e protetiva. Com padronização e organização em seus atendimentos e acompanhamentos. Além de técnicas apropriadas para compreender as necessidades de seus usuários. 

Muito além da caridade, seu objetivo é fortalecer os vínculos familiares e comunitários, fazer com que os indivíduos enfrentem situações de risco e vulnerabilidade social e adquiram autonomia e protagonismo em suas vidas.

Por mais que a Assistência Social, como está estruturada hoje, esteja beirando seus 30 anos de existência, há confusão em relação a sua finalidade. Infelizmente, algumas pessoas ainda acham que sua função é prestar assistencialismo.

Assistente social

O/a assistente social é todo aquele formado em Serviço Social e registrado no CRESS do estado em que atua.

Esse profissional pode atuar na política de Assistência Social, com assessorias, como professores, pesquisadores ou na direção de órgãos públicos ou privados.

Seu trabalho deve ser focado na defesa das liberdades democráticas e na garantia dos direitos sociais.

Suas principais funções são:

  • Prestar orientação e acompanhamento a indivíduos e suas famílias;
  • Elaborar estudos, relatórios, pareceres e laudos sociais;
  • Planejar, organizar e administrar os serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais;
  • Avaliar, elaborar e formular políticas sociais em conjunto com órgãos públicos municipais, federais ou estaduais;
  • Dentre outros.

Assistencialismo

O assistencialismo se refere à doação e à troca de favores. O que vai totalmente contra ao objetivo da política de Assistência Social, que é a garantia de direito à proteção social a seus usuários.

Em linhas gerais, o assistencialismo trata-se de caridade e a assistência social de direito.

Essa prática está enraizada na sociedade e, em alguns casos, na Assistência Social, desde a era Getulista. Época em que primeiras-damas de todo o Brasil organizavam-se como voluntárias para lidar com pobres e fazer caridade.

O assistencialismo deve ser visto como um problema, pois faz um trabalho paliativo, ou seja, o problema é resolvido de forma temporária. Contribui, inclusive, para perpetuar a troca de favores e manter quem está no poder.

A Assistência Social, pelo contrário, baseia seu trabalho em técnicas e em cientificidade. Há atendimento e acompanhamento especializados para que os usuários enfrentem situações de risco e vulnerabilidade social e adquiram protagonismo em suas vidas. Para que, com isso, não precisem mais de caridade.

O assistente social, diante dessa situação, precisa atuar no processo de conscientização dos usuários, do governo e da sociedade como um todo. Ao trabalharem conforme as leis e normas da política, já estarão colaborando para desconstruir a visão estereotipada de assistencialismo que a Assistência Social carrega até hoje.

 

********

E então? Conseguiu entender a diferença entre serviço social, assistência social, assistente social e assistencialismo? Restou mais alguma dúvida que poderíamos esclarecer? Conta para nós, será um prazer ouvi-lo!

Se gostou desse conteúdo, assine a nossa newsletter e fique por dentro de outros textos como este!

Quer ficar por dentro das novidades?

Assine a nossa newsletter e receba conteúdos incríveis toda semana!


Portabilis Tecnologia

A startup de tecnologia que ajuda os governos municipais a superarem a falta de informação através de soluções inteligentes, para aumentar o impacto das políticas públicas de educação e assistência social, focando em transformações sociais e a garantia do acesso de todos os brasileiros aos seus direitos.